2014/03/24

Apetecia-Me estar Apaixonada!

Apetecia-Me sentir o corpo em reboliço,
Ficar presa a alguém como se fosse um feitiço!
Apetecia-Me sentir o bater forte do coração,
Quando o visse ao longe morrer de emoção!
Apetecia-Me suspirar de paixão,
Sentir o seu cheiro e ficar com tesão!
Apetecia-Me amar loucamente,
Olhar nos seus olhos e quebrar de repente!
Apeteci-Me sorrir sem parar,
Um sorriso que percorre o corpo e nos põe a dançar!
Apetecia-Me ficar enroladinha,
Nos braços dele como uma bonequinha!
Apetecia-Me sentir borboletas na barriga,
Dar milhões de beijos e abraços depois da briga!
Apetecia-Me só nele pensar,
Tê-lo no pensamento noite e dia sem parar!
Apetecia-Me…
Apetecia-Me…
Apetecia-Me estar apaixonada
Ainda que não fosse correspondida, apenas e só pelo prazer de AMAR!

2014/03/21

A Vida É…


Cenário: uma paragem de autocarro em nenhures.

Personagens: Mulher1, de idade, ligeiramente, avançada, cabelo despenteado, saco de plástico com conteúdo indefinido no interior, olhar descorado pelos anos e semblante fechado.
Homem, de idade avançada, cabelo escasso, olhar e roupas descoloradas pelo tempo.
Mulher2, relativamente jovem, de olhar afável, cabelo irrepreensivelmente penteado, calças de ganga e t-shirt impecáveis.

A Mulher2 chega à paragem de autocarro e senta-se entre os outros dois personagens que já se encontram sentados, cada um numa ponta daquela espécie de banco.

Mulher1 – A vida é uma merda! – Olhar perdido, ombros descaídos! Toda a sua postura revela que já nada lhe importa, parece aguardar algo ou alguém que não virá!

Homem – A vida não é uma merda é mais que isso é uma desilusão! – A mesma postura o mesmo descrédito de tudo e de todos!

De repente viram-se os dois na direcção da Mulher2.
Os seus olhares inquirem-na, as suas posturas revelam agora que aguardam a “sentença” dela!

Será que ela dirá que a vida não é nada disso, que é um realizar de sonhos, a concretização de tudo que a faz feliz. Que a vida é um palco onde impera o amor, o carinho, a amizade, a alegria, os sorrisos e todas aquelas coisas que a fazem sentir que vale a pena estar nesse palco, naquela peça, naquela cena?
Ou será que ela dirá que mais do que merda ou desilusão a vida é um nada, um vazio. Que é sim um palco onde as personagens, ela inclusive, são manipuladas, quais marionetas, ao sabor e bel-prazer do seu manipulador. Que as personagens se deixam levar, sem vontade, apáticas, pois nada há a fazer?

A Mulher2 sente aqueles olhares “cravados” em si, levanta-se, dá dois passos em frente, vira-se na direcção dos dois outros personagens que se inclinam na sua direcção aguardando a "sentença", esboça um sorriso e diz:

– O autocarro chegou!


2014/03/13

2014/03/11

Há dias...


Há dias em que me apetece desistir
Fechar os olhos e deixar-me ir
Há dias em que a pressão me ultrapassa
E o viver o dia deixa de ter graça
Há dias em que me apetece os olhos fechar
Deixar de sorrir simplesmente deixar-me ficar
Há dias em que me apetece no precipício lançar
Esquecer os dias deixar de sonhar
Há dias que me fazem questionar
Se estes dias são dias para chorar
Há dias que são menos dias
Mas são dias que tenho de suportar…



2014/03/07

(5) Na Vida Aprendi Que...

Há adultos que se comportam como crianças!
Ok, até aqui nada de novo, já sabia isto, obviamente…
Mas ontem confirmei que há adultos que se comportam como aquelas crianças que descobrem uma piada e a repetem até à exaustão desde que haja um qualquer membro da plateia que a vá acompanhando no riso, ainda que forçado...
Não lhes interessa se estão a ser inconvenientes, se magoam outro alguém com as suas pretensas piadas, se a única pessoa a se rir com eles apenas o faz por ser um lambe botas
Não lhes interessa!
Tal como uma criança que não distingue o bem do mal esses Seres não distinguem o conveniente do inconveniente…
Fónix!
Será que não entendem que o comportamento que se tem num convívio de copos não pode ser igual ao que se tem profissionalmente? Ainda que os intervenientes sejam idênticos, quiçá os mesmos?
Ou então, provavelmente, sou eu que estou errada e já não existe o saber estar

2014/03/05

Se isto fosse o facebook...

 
Dia de trabalho em Bruxelas!

That's all folks...