2013/10/31

Senti-Te a Pele! (versão Ele)


Toquei-a com os meus dedos
deixei-os vaguear, queimei-os com o seu fogo
Mordi-a com meus dentes
rasguei-a, recortei-a, sulquei meu coração
Passeei-a com minha língua  

marquei-a com saliva, acabei sedento da tua
Cheirei-a com meu nariz
tateei-a, sufoquei de prazer com seu perfume

Toquei-lhe com meu olhar
percorri-a de lés-a-lés, ceguei em meu deleite
Senti-a nos meus ouvidos
penetraram-nos
seus sons, ensurdeci em êxtase

Senti a Tua pele e...  
Fiquei sem sentidos…

 

2013/10/27

Sente-Me a Pele! (Versão Ela)


Toca-a com os teus dedos 
deixa-os percorrer-ma ao de leve, como um sopro
Morde-a com os teus dentes
deixa-os rasgar-ma suavemente, como uma tatuagem
Passeia-lhe a tua língua
deixa-lhe um rasto de saliva, como um trilho
Cheira-a com teu nariz
deixa passear teu olfato, como uma brisa
Toca-lhe com teu olhar
deixa teus olhos percorrerem-na, como um vagabundo
Sente-a com teus ouvidos
deixa que os seus sons entrem em teus sentidos, como o murmúrio de um rio...


2013/10/10

Não! A Rosa Não!

Ele insistiu em ir buscá-la à estação de comboios e levá-la a casa. Ela regressava de uns dias em Lisboa e ele ofereceu-se (quase implorou) para a ir buscar à estação de Vila Nova de Gaia e levá-la a casa. Nem os argumentos dela de que era ridículo ele vir de Aveiro apenas para a levar numa viagem que quase poderia fazer a pé, afinal eram cerca de 10 minutos de carro, o fizeram demover-se da sua ideia.
Ela chegou, cansada, meio enjoada e sem vontade de conviver, saiu do comboio e depois de uma longa espera para atravessar a linha viu-o ao longe. Sorridente, ar de surfista, um garoto para quem as miúdas olhavam quando por ele passavam. De repente ela repara que ele tem uma rosa vermelha na mão e sorri enquanto se dirige para ela. 
Ela resmunga baixinho - Miguel! Esconde a rosa... a rosa não... guarda essa merda... 
Ele sorri e responde - É para ti amor... 
Ela - Guarda a rosa! E vai chamar amor ao teu avô...
Os que por eles passavam abanam a cabeça com ar de desaprovação, deitando-lhe olhares reprovadores que ela vai ignorando... Não sabem que ela não lhe é nada, que não quer nada, que lhe prometeu apenas mais um café...
Que mania que eles têm de ser românticos quando não é preciso...


2013/10/02

(8) Faits Divers With Nonsense!


Ela tem o cabelo em tons de vermelho
Ela tem um carro vermelho
Ela usa um vestido vermelho
Ela facilmente cora
Eles dizem-lhe que o vermelho lhe fica bem
Ela sorri e pensa que é um poço de contradições...
Não gosta de dar nas vistas, gosta de passar despercebida, mas raramente o consegue...
Até os seus olhos verdes, que no meio de todo este vermelho deveriam passar despercebidos, a traem passando a funcionar como uma espécie de farol em dia de tempestade no mar...