2013/12/22

Numa Palavra Diria (Casamento)!


As meias não são iguais... 
Uma é um pouco maior do que a outra, 
Uma brilha ligeiramente mais,
Uma é "un petit peu" mais escura...
Mas quando juntas ninguém o diria,
Muito pelo contrário... 

Casemos as meias pois então!

2013/12/09

(10) Contradições... ou Talvez Não!


Adoro dormir sozinha numa cama king size!
Detesto ter de a fazer sozinha... 

2013/12/04

Constatação do Dia!


Não sei mentir...
Minto tão mal...
Disse-lhe logo que era uma mentira o que estava a dizer!
Hoje tinha-me dado tanto jeito saber fazê-lo na perfeição... 


2013/11/29

Mudanças!


Gosto de mudanças...
Mas vou ter muitas saudades de ti...

Eu sei que tu sabes...
Ainda que não estando estarei ao pé de ti!

2013/11/26

Um beijo!


Ela - se eu te pedir um beijo dás-me?
Ele - claro que sim, mais do que um até...
Ela - não quero nenhum... mania de exagerares...


2013/11/21

Na Vida Tal Como Nas Rotundas...


Por vezes é necessário "fechar os olhos" e avançarmos, com ar de "nem notei que estavas a tentar enfiar-te à minha frente" ignorando os "Chico-espertos" sem medo de atropelamentos...

2013/11/17

A opinião dele sobre o meu blogue...


Diz-me ele, entendido nestas coisas, que eu nunca terei um blogue de sucesso, posso até escrevinhar umas coisinhas engraçadas, com conteúdo, mais ou menos bem (tudo isto na ótica dele), mas nunca terei um blogue de sucesso (seja lá isso o que for, digo eu)!
  • Eu não escrevo sobre assuntos escaldantes, por exemplo sexo, política, moda ou até mesmo sobre sexo...
  • Não uso palavras buscadas pelos googleadores... 
  • Eu não faço visitas de cortesia, limito-me a ler e a comentar, quando me apetece, os blogues de que gosto, chegando mesmo ao desplante de ler alguns sem nunca os comentar...
  • Só sigo blogues que me interessam...
E mais um sem fim de coisas que quem quer ser "visto" na blogosfera não deve fazer!

Pois que sim, que até pode ter razão... mas eu estou bem assim... para ser famosa já me basta fora dela, da blogosfera...

2013/11/10

(9) Contradições... ou Talvez Não!


Um Ele por quem Ela se sentia atraída disse-lhe - "gosto do teu cabelo assim comprido"... no dia seguinte Ela cortou o cabelo bem curto...
2009 

Um Ele por quem Ela não se sentia atraída disse-lhe - "gosto do teu cabelo comprido"... a partir desse dia Ela deixou o cabelo crescer ainda mais...
2013

2013/11/06

Post-it (Maledicência)!



2013/10/31

Senti-Te a Pele! (versão Ele)


Toquei-a com os meus dedos
deixei-os vaguear, queimei-os com o seu fogo
Mordi-a com meus dentes
rasguei-a, recortei-a, sulquei meu coração
Passeei-a com minha língua  

marquei-a com saliva, acabei sedento da tua
Cheirei-a com meu nariz
tateei-a, sufoquei de prazer com seu perfume

Toquei-lhe com meu olhar
percorri-a de lés-a-lés, ceguei em meu deleite
Senti-a nos meus ouvidos
penetraram-nos
seus sons, ensurdeci em êxtase

Senti a Tua pele e...  
Fiquei sem sentidos…

 

2013/10/27

Sente-Me a Pele! (Versão Ela)


Toca-a com os teus dedos 
deixa-os percorrer-ma ao de leve, como um sopro
Morde-a com os teus dentes
deixa-os rasgar-ma suavemente, como uma tatuagem
Passeia-lhe a tua língua
deixa-lhe um rasto de saliva, como um trilho
Cheira-a com teu nariz
deixa passear teu olfato, como uma brisa
Toca-lhe com teu olhar
deixa teus olhos percorrerem-na, como um vagabundo
Sente-a com teus ouvidos
deixa que os seus sons entrem em teus sentidos, como o murmúrio de um rio...


2013/10/10

Não! A Rosa Não!

Ele insistiu em ir buscá-la à estação de comboios e levá-la a casa. Ela regressava de uns dias em Lisboa e ele ofereceu-se (quase implorou) para a ir buscar à estação de Vila Nova de Gaia e levá-la a casa. Nem os argumentos dela de que era ridículo ele vir de Aveiro apenas para a levar numa viagem que quase poderia fazer a pé, afinal eram cerca de 10 minutos de carro, o fizeram demover-se da sua ideia.
Ela chegou, cansada, meio enjoada e sem vontade de conviver, saiu do comboio e depois de uma longa espera para atravessar a linha viu-o ao longe. Sorridente, ar de surfista, um garoto para quem as miúdas olhavam quando por ele passavam. De repente ela repara que ele tem uma rosa vermelha na mão e sorri enquanto se dirige para ela. 
Ela resmunga baixinho - Miguel! Esconde a rosa... a rosa não... guarda essa merda... 
Ele sorri e responde - É para ti amor... 
Ela - Guarda a rosa! E vai chamar amor ao teu avô...
Os que por eles passavam abanam a cabeça com ar de desaprovação, deitando-lhe olhares reprovadores que ela vai ignorando... Não sabem que ela não lhe é nada, que não quer nada, que lhe prometeu apenas mais um café...
Que mania que eles têm de ser românticos quando não é preciso...


2013/10/02

(8) Faits Divers With Nonsense!


Ela tem o cabelo em tons de vermelho
Ela tem um carro vermelho
Ela usa um vestido vermelho
Ela facilmente cora
Eles dizem-lhe que o vermelho lhe fica bem
Ela sorri e pensa que é um poço de contradições...
Não gosta de dar nas vistas, gosta de passar despercebida, mas raramente o consegue...
Até os seus olhos verdes, que no meio de todo este vermelho deveriam passar despercebidos, a traem passando a funcionar como uma espécie de farol em dia de tempestade no mar...



2013/09/20

(15) Conversas Entre Ele e Ela!


Ele - Se não fosses minha chefe dava-te um beijo na boca!

Ela por breves segundos ponderou pedir demissão do cargo... 

A que saberia aquele beijo?

2013/09/03

Numa Palavra Diria (Paciência)!


A que tenho de ter para com aqueles que de mim não gostam, por vezes é superada por aqueles que me amam em demasia...
Que sufoco!

2013/08/28

Era uma vez uma rapariga...

São horas de se despachar...
Já é tão tarde e ela ainda tem de ir fazer o jantar. Corre escada acima escada abaixo enquanto vai arrumando as coisas para poder ir-se embora.
Num gesto rápido, sorriso aberto, ao passar por ele diz-lhe até amanhã, ele diz-lhe um daqueles "disparates" que lhe diz de vez em quando o que a faz libertar uma gargalhada ligeiramente alta de mais, tenta abafá-la com as mãos não vá assustar algum dos resistentes que ainda continuam no edifício... o gesto faz com que se riam ainda mais um para/com o outro...
Sorriem mais uns segundos um para o outro e ela, finalmente, corre para o carro. 

Atravessa a rua a sorrir, as lembranças do que ele lhe disse ainda ecoam na sua cabeça fazendo-a sorrir, ai se um dia ela acredita no que ele lhe diz... de repente...  
Era uma vez uma rapariga...

Short Stories
Green Eyes

2013/08/01

(7) Faits Divers With Nonsense!


Ela - por vezes receio que o muro que separa a nossa amizade de algo mais se desvaneça...

Ele - já eu tenho esperança que isso aconteça...

2013/07/25

(6) Faits Divers With Nonsense!


Ela - fogo!!! hoje todos se metem com o meu decote...

Ele - desculpa, mas... é o teu decote que se mete conosco...



2013/07/22

(8) Contradições... ou Talvez Não!



2013/07/17

(5) Faits Divers With Nonsense!




2013/07/15

(4) Faits Divers With Nonsense!


Porque me amas? Eu não quero... - disse-lhe ela, com olhar entristecido.

E porque não? Como não? - respondeu-lhe ele, com sorriso triste...


2013/07/05

Anda cá à minha teia que eu...


Não te faço mal!

Era uma vez uma aranha, uma aranha vistosa. Seu corpo negro, aparentemente frágil, brilhava e resplandecia de cada vez que ela se movia, suas pernas se deslocavam com tal delicadeza que parecia que não tocavam o chão.
A nossa amiga aranha fez uma teia que, apesar de pequena, brilhava no escuro. Entrelaçou seus fios de seda de tal modo e com tal graça que todos os outros araneídeos que por ali passavam se contorciam e espumavam de inveja. Era ali o seu refúgio, o local onde se deixava estar a viver seus pensamentos, onde gostava de estar sozinha!
Ora a nossa amiga aranha um dia enquanto descansava na sua teia sentiu-se importunada por um ser voador que por ali passava... a vespa!
- Que bela que és, que bela teia que tens, sabes que estou aqui estou a picar-te essas belas pernas? - disse-lhe a vespa.
- É melhor ires-te embora, não me apetece brincadeira... - retorquiu-lhe a aranha.
- Ui... tens de olhar bem para mim... já viste como sou um ser brilhante? Nenhum ser em seu perfeito juízo me resiste! - insistiu a vespa.
- Ah, deve ser isso, eu nunca estou no meu perfeito juízo, podes ir andando! - resmungou a nossa amiga aranha.
Tanto insistiu a vespa, tantas horas ali andou a zumbir que a aranha perdeu a paciência! Ora, quando a nossa amiga aranha perde a paciência, contrariamente a outros seres, uma calma, uma tranquilidade, uma serenidade extrema cai sobre ela. Com um brilho encantador em seus hipnotizadores olhos a aranha sussurra muito calmamente para a vespa - Vem cá, vem ver-me de mais perto, vem sentir meu cheiro, acariciar minhas pernas e quem sabe eu te deixo ferrar-me...
A vespa zumbiu mais alto, rodopiou e em voo veloz dirige-se à aranha. - Vou-te picar parvalhona! - cicia enquanto se dirige rapidamente para a aranha.
De repente a aranha atira um fio de sua seda, que se enrola na vespa fazendo-a cair em sua teia! A vespa debate-se em pânico tentando libertar-se, quanto mais se tenta libertar mais os fios de seda a prendem...
Sorrindo a nossa amiga aranha dirige-se à vespa e sussurra-lhe com carinho - Vou libertar-te, vou levar-te para bem longe e só depois lá chegando te corto os fios de minha seda, mas que te sirva de lição... se te disse para ires é porque não te queria aqui! Nem tudo o que te parece tonto o será!

Short Stories
Green Eyes

2013/07/03

(3) Faits Divers With Nonsense!


I'm here...
Deal with it!
Survivor...

2013/06/24

O Sonho!


Acordar!
Relembrar o que esqueceu ao despertar!
Um sonho, O sonho...
Suas mãos percorrem-lhe os braços onde antes no sonho os lábios dele passearam...
Seus olhos abrem-se lentamente buscando o rosto que em seu sonho não definiu... 
Está sozinha... fecha-os de novo, e relembra...

Enquanto ela dormia
Ele chegou de mansinho
Entrando em seus lençóis
Sussurrou seu nome baixinho...
Ela gemeu e sorriu-lhe
Seus olhos continuaram fechados
Sentiu a pele arrepiar-se
Com seus beijos molhados...
Enquanto sua boca calava
As palavras que quis dizer
Seu corpo respondia-lhe
Com sinais de prazer...
Ele passeou seu corpo
Deixando-o em desalinho
Suas respirações embalando-se
Com ardor e com carinho...
Seus sentidos despertaram 
Voltando a perder a razão
Suores e arrepios
Foi sentindo com paixão...
O que se seguiu foi intenso
Foi possante e sentido com ardor
Disseram-lhe um dia em segredo
Que a isso se chamava amor...
 

2013/06/19

Numa Palavra Diria (Sexo)!


Feminino!

Não era esta a pergunta?!
Ups...

Ok, faz
Sentido!
Existe um
Elo?
Tem muito
Xodó?
Faz disso um prazer sem
Obcecares! 


Isto não faz sentido? Então faz com sentido... e já agora consentido...


2013/06/10

Era Uma Vez...


Um Gato, um Gato vadio que gostava de vadiar. Não gostava de ter companhia, nem amarras que o quisessem prender ou educar!
Um dia esse Gato encontrou um Pássaro que tal como ele não queria ter amarras ou alguém a quem se ligar.
Olharam-se de esguelha, miraram-se e voltaram a se mirar.
O Gato só pensava em o Pássaro comer, belo petisco que o destino lhe estava a dar.
O Pássaro só pensava em o Gato ignorar, não lhe apetecia nada estar ali a correr, voar ou saltar para do Gato escapar.

Esta história não tem fim, mas já se pode adivinhar... 
Ou o Gato come o Pássaro...
Ou o Pássaro o Gato manda bugiar... 

2013/06/06

Hoje Quero Abraços, Beijos e Amassos!


Abraços que me confortem a alma e me despertem o desejo!
Beijos que me aqueçam o ser e me incendeiem o corpo!
Amassos que me... 

Pensando bem, é melhor não...

Os abraços criam laços...
Os beijos trazem desejos...
E os amassos... bem... os amassos... podem quebrar-nos em pedaços...


2013/06/05

(2)Provoco-te… Provocas-me!


Gosto de pegar nas tuas palavras e de as usar a meu bel prazer!
Gostas de pegar nas minhas palavras e de as usar para me provocar!

Ninguém entende as palavras soltas que trocamos,
Como as baralhamos,
Como as mascaramos...
Gosto de te provocar com elas e depois olhar-te nos olhos, de olhar surpreendido, e dizer-te que não foi isso que te disse!
Gosto do modo dissimulado como me provocas com as tuas palavras, do teu olhar ansioso para que eu as entenda na forma que tu lhes dás...
Gosto de jogos de palavras (em especial) contigo!
Gosto que gostes de jogar e nada mais me peças para te dar...

2013/05/31

Toca-Me que Sou…


Frágil!
Toca-me com tuas mãos ao de leve e eu derreto-me!
Toca-me com teus lábios e eu desfaço-me!
Toca-me com teu toque e eu desvaneço!
Toca-me com teu sopro e eu…
Eu se sentir teu sopro em meu pescoço rendo-me!


2013/05/27

Numa Palavra Diria (Ponte)!


Se souberes construir uma PONTE, no fosso que nos separa, prometo-te que faço um esforço e atravesso essa PONTE...
Olhando sempre em frente...

2013/05/24

Numa Palavra Diria (Cheiro)!


Como veio o CHEIRO do teu corpo parar ao meu se nos separam milhares de quilómetros e nunca estivemos juntos?!
Será o teu CHEIRO um estado da minha alma?!

2013/05/22

Numa Palavra Diria (Lembrar)!


Não me LEMBRO de como todas aquelas velas foram parar à casa de banho...
É que não me LEMBRO mesmo...

2013/05/20

Baralhemos isto tudo… Mas não envolvamos os números...



Eu tenho uma colega [já vos falei dela algures por aqui] daquelas que sabe sempre, mas mesmo sempre, tudo sobre a vida sexo/emocional dos outros!
De tal modo sabe de tudo o que se passa que até eu já dei por mim a lhe perguntar se eu tinha ou não namorado, não fosse eu estar distraída!!
Ora bem, a tal rapariga conta umas histórias de quem anda com quem, quem trai quem, quem coiso e tal e por aí afora! A maior parte das vezes eu e mais algumas pessoas ouvimos por ouvir, não queremos saber e nem percebemos metade da cena que ela conta, mas ela sente-se tão feliz a fazê-lo que nenhum de nós tem coragem de a ignorar
Desta vez vi-me grega para perceber uma das histórias dela…

Então passo a resumir:
A é namorado de B e de C, ou qualquer coisa do género não consegui perceber  bem qual o grau de envolvimento de A com estas duas consoantes, obviamente que B e C não sabem que o seu A é o mesmo; por sua vez C vive com D, A sabe de D, mas D não sabe de A; D gosta de F que se está a marimbar para o abecedário, mas que diz que tem E interessado em formar palavras, sendo que E já as alinhava com B que apesar de namorar com A gosta de G que por sua vez já viveu com A

Então qual é o problema disso?! - perguntam vocês, aqueles que tal como eu não se importam que as letras se enrolem todas desde que não seja nada connosco (também há quem goste que seja com ele).

No problem… só que é esquisito porque as letras são vizinhasalgumas até se conhecem… falam umas das outras sem o saberem [obviamente que há ali letrinhas que sabem bem o que fazem...]… 
Imaginem que fazem um daqueles jantares de amigos que ainda não se conhecem pessoalmente… ia ser lindo… ou então não... vai-se a ver e era um caldinho de letras...

2013/05/17

(14) Conversas Entre Ele e Ela!

Ele sorri-lhe vendo-a ao longe enquanto a aguarda sentado numa das mesas da área alimentar do shopping, ela caminha sorridente ao encontro dele. Cumprimentam-se com um beijo rápido na face, ou melhor, ele beija-lhe a face que ela lhe oferece enquanto lhe diz olá.
Depois de alguns minutos de conversa:

Ele - Comprei-te uma coisa!

Ela sorri-lhe - O quê? Porquê?

Ele sorrindo-lhe - Abre vais perceber, mas primeiro lê o bilhete...

Ela vai abrindo um largo sorriso enquanto lê "como sempre te recusas-te a beijar-me da forma que eu queria, como sempre me disseste que preferes beijar sapos a príncipes...", abre a caixa e dá uma gargalhada de felicidade!

Ela - Adorei! - exclama enquanto beija o anel em forma de sapo que ele lhe ofereceu... Vês como vale a pena não te beijar?

2013/05/13

(7) Contradições... ou Talvez Não!



2013/05/07

Na Vida Tal Como Na Estrada...


A velocidade excessiva nunca me impressionou!

2013/04/29

Post-it (Dissensão)!



2013/04/22

A curiosidade deles é mais forte do que a minha...



Recebi rosas!
Foram deixadas na receção do meu trabalho com a indicação de confidencial!
Quando o vigilante me as entregou disse-me que não eram dele, mas que quiçá um dia…
A curiosidade que as rosas e o respetivo bilhete despertaram nos meus colegas é muito superior à minha!
A mim apenas me interessou saber que algures, dentro ou fora, deste vasto edifício existe alguém que me ofereceu rosas e me dedicou tão belas palavras…
É certo que também me agrada o facto de a ciumaria, quer deles, quer delas, se ter intensificado…


2013/04/16

Post-it (Acreditar)!



2013/04/08

(2) Faits Divers With Nonsense!



Quando te provoco, te faço corar, te embaraço, te faço gaguejar...
Quando ficas baralhado e não sabes o que fazer...
Penso sempre que ainda não percebi se os olhares delas são de ciúmes de ti ou de mim...

2013/04/05

Post-it (Blogosfericamente)!




(1) Faits Divers With Nonsense!


Empregado da loja (sorridente, espalhando charme) - vai pagar com dinheiro ou com cartão?

Green Eyes (sorridente e com ar travesso

o que ela pensou -  com o corpo... 
o que ela disse - com cartão.

2013/03/27

Remar contra a maré!


Por vezes apetece-me desistir,
parar de remar, os remos largar,
envolver-me na espuma das ondas
e simplesmente me afogar... 


2013/03/25

(5) Dizem Que...



Onde se ganha o pão não se come a carne!

Hum... 
Um dia um de nós ainda se deixa de panificações...  


2013/03/19

(13) Conversas Entre Ele e Ela!


Ele (numa derradeira tentativa de a convencer) - Anda lá... aceitas o 1º café, depois vamos noutro dia tomar o 2º, noutro dia vamos jantar, noutro dia prolongamos o jantar com uma conversa mais demorada, a seguir vem uma saída noturna e depois tens um clique e percebes que estás apaixonada por mim...

Ela - Ah!! Isso do clique tenho muitas vezes, mas já fui ao ortopedista e ele diz que não é grave, mas paixão não é de certeza… acho que é muscular…

2013/03/14

Que dia escolheste tu para me conhecer...

Segunda feira foi dia de não me apetecer pentear, vestir, maquilhar, sorrir, falar...
E tu apareceste assim de repente e sem avisar!
Esperavas porque do telemóvel me esqueci quando fui almoçar!
Meus olhos verdes desfocados na cor pelo fim de semana que tinha sido de dor...
A boca que me doía porque o raio dos braquetes me estavam a magoar...
Enquanto conversávamos só me apetecia sorrir, parecia-me que sempre te conheci!
Foi naquele cantinho porque tinha de ser... não havia tempo de a outro ir...
Não percebi o que de mim pensaste, mas curiosamente, e contrariamente ao habitual, a tua opinião interessava-me...
Ficou tanto por dizer, coisas que eu não te queria ali perguntar porque não havia só um eram, muitos a cuscar... mas a tua curiosidade pela "ponte" fiquei sem perceber e gostaria tanto que me pudesses explicar...
E foi assim deslavada, mas sempre sorridente, que conheceste Green Eyes, uma amiga que espero queiras guardar!




2013/03/03

(2)Enamoramento na Ponte da Arrábida!

Continuação...
(...)
Enche-se de coragem e olha na direção daquele olhar.
Os seus olhos encontram-se com uns olhos escuros que a fixam de tal modo que os sente tocarem-lhe a pele...
Ele murmura qualquer coisa que ela entende como "verdes" e sorri-lhe, ela cora (sente-se tão infantil quando cora...), esboça um sorriso e fica aparvalhada a olhar!
Não o acha um Deus Grego, mas não consegue deixar de se sentir tocada por ele...
De repente, enquanto estava perdida nestes pensamentos, vê que ele escreve qualquer coisa num papel que levanta na direção dela enquanto faz gestos de súplica e lhe sorri ainda mais efusivamente.
O que ela lê deixa-a completamente knockout...
Em letras, bem tortas por sinal, ele escreveu "casa comigo"... 
Enquanto tenta perceber o que fazer alguém buzina fortemente, olha pelo espelho retrovisor e vê que uma moça não tem paciência para aqueles disparates, num olhar rápido vê que outros condutores sorriem e tentam mudar de faixa sem os incomodar, mas aquela moça até lhe faz gestos daqueles pouco simpáticos...
Ela grita-lhe um "sim" enquanto anui com a cabeça (ainda bem que tem a proteção de estar no carro, caso contrário morreria de vergonha...) e arranca, não vá a moça buzinadora dar-lhe um chilique...
Ainda se vão olhando e sorrindo durante uns minutos até que continuam em direções opostas.
Pronto... assim se fazem os dias dela... de (des)encontros que o destino (ou alguém disfarçado dele) se encarrega de quebrar...
        

Short Stories
   Green Eyes
 

2013/02/18

Post-it (Suplício)!



2013/02/14

Be My Valentine!

Só hoje!

Sem sentires, sentindo... tanto faz!
Faz-me uma declaração de Amor!
Hoje Apetece-Me
Ouvir a tua declaração sem pudor!
Não posso - dizes tu,
Não te amo, como me declarar?
Quero lá saber - digo-te eu
Hoje mentes-me
Porque de Amor quero ouvir falar!

2013/02/08

Post-it (Apinocar)!



2013/02/05

Ela

Ele diz-lhe que ela está sempre feliz e isso irrita algumas pessoas!
O que é ser feliz? Define feliz, pede-lhe ela.
É ser como tu, é esse entusiasmo em tudo o que fazes, é esse sorriso aramado que tens faça chuva ou faça sol, os olhos que sempre nos sorriem, essa vontade que tens de viver, de partilhar, a gargalhada que não controlas, as mãos que tocam transmitindo calma, a voz sorridente, a palavra doce na hora exata, o ouvido sempre atento, a provocação que transborda de ti, é... é... tu sabes...
Sabes, aprendi a ser assim, diz-lhe ela, há cerca de um ano que a minha visão da vida mudou, mas não consigo entender porque isso incomoda algumas pessoas...
Ele responde-lhe que esteja ela como estiver há sempre quem se sinta incomodado, diga ou faça ela o que fizer há sempre quem a critique, mas que essas mesmas pessoas por outro lado não deixarão de continuar a disputar a sua atenção. É aquela cena de amor ódio..
Pois... responde-lhe ela, por isso nunca lhes deixo perceber como eu efetivamente me sinto, para eles estou sempre feliz... prefiro que sintam inveja do que pena...



 
 

2013/01/28

Um dia... Um lugar... Aconteceu...



2013/01/16

(1)Enamoramento na Ponte da Arrábida!


São mais ou menos 9 horas da manhã de uma segunda-feira como tantas outras que já viveu. Uma segunda-feira em que a chuva cai miudinha, em que o trânsito se move lentamente e em filas intermináveis.
No rádio a música ajuda-a a passar o tempo. Enquanto vai avançando no trânsito, tão lentamente que quase se sente parada, vai cantarolando e olhando distraída para o interior dos carros que a seu lado circulam. Bamboleia o corpo e desafina (canta) as canções que vai ouvindo e quase consegue adivinhar o que alguns dos que por ela passam pensam - "doida, só mesmo uma doida para estar bem disposta nestas condições".  
Sorri para si mesma, não se importa com o que pensam, nunca se importou.
De repente apercebe-se de que está parada no meio do tabuleiro da ponte da Arrábida. Há um toque mais à frente - "que treta, lá vamos nós ficar aqui eternidades", pensa enquanto aproveita para olhar a paisagem que a ponte lhe proporciona.  Por essa razão faz questão de ir sempre na faixa mais à direita.
Como adora aquela vista que a ponte lhe mostra, com chuva, sem chuva, com nevoeiro, com sol... enfim, de qualquer modo, adora olhar e sentir um misto de paz e de medo. Sim, que ela tem tendência a imaginar que a ponte cai enquanto ela lá vai a passar, coisas melodramáticas daquelas que ela gosta de inventar...
De repente sente-se observada, não da forma como normalmente os ocupantes das outras viaturas o fazem, mas de uma forma mais intensa, quase que lhe parece que o seu observador está a seu lado.
Sente que tem de olhar, mas numa timidez estúpida demora em fazê-lo.
Enche-se de coragem e...

Short Stories
   Green Eyes
 
Continua...

2013/01/07

Define-me com uma canção!


pediu-lhe ela.

Hum, talvez... Beneath Your Beautiful - respondeu-lhe ele.

Estranho - pensou ela... apenas nos vimos hoje pela 1ª vez...