2011/11/23

Não gosto de espelhos!


Não por serem mentirosos...
Não por me mostrarem a minha imagem...

Nem sequer por serem parvos...
Nada disso,
Só não gosto de espelhos porque acho que eles precisam de ir ao oftalmologista...
Ceguetas... 
Pitosgas...
Não conseguem ver a minha verdadeira imagem!
Não que eu ache que a que eles vêem é pior do que a que eu tenho de mim, por vezes (bastantes por sinal) é até bem melhor, irrita-me, apenas, porque é diferente! Porque apenas me vê superficialmente, apenas a minha camada exterior, por isso a acho errada!
E pensar que há gente assim... igual aos espelhos... básicos...

Girl Before a Mirror - Pablo Picasso

2011/11/21

Hoje apeteceu-me beijar-te!

Assim, sem mais nem menos,
Sem razão aparente,
Mas com desejo premente…
A ti que me fitavas demoradamente,
A ti que não conhecia,
Que nunca antes tinha visto!
Não te achei bonito,
Mas tinhas um “je ne sais quoi” que me fez responder-te ao olhar!
Ai… o teu olhar…
Que olhar!
A tua boca,
Que me provocou descaradamente,
Que boca!
Os teus lábios que se moviam lentamente, tentadoramente!
Que lábios!
Apeteceu-me destruir a curta distância que nos separava,
Tão curta, mas que na urgência do meu desejo se tornava tão longa, distante...

Ignorar a multidão que nos rodeava,
Responder à tua sedução,
Esquecer a inoportunidade do momento,
Ceder à tua tentação!
Apeteceu-me beijar-te!
Só isso…
Tocar os meus lábios nos teus demoradamente…
Deixá-los entreabrirem-se sentindo os teus…
Beijar-te como se beija no cinema,
Sem pressa,
Com sofreguidão,
Sem sentimento,
Com paixão…
Apenas beijar-te…
Só isso…
Mas tu tinhas de arruinar o momento…
Porque me disseste “Olá”?
Porque me quiseste conhecer?
Eu só queria beijar-te e aproveitar um Apetite que nunca antes senti!

Porto, 2011/11/18



2011/11/16

Que Maus!!

Estávamos a aproveitar o solzinho e os últimos dias de companhia mútua, enquanto tomávamos um cafezito e como algumas das meninas comentaram a beleza de um transeunte, a conversa escorregou para esse tema!
Como em tudo na vida uns acham-se lindos de morrer, outros que estão ali para as curvas, outros fogem do espelho como o diabo da cruz e outros outras coisas que tais!
Ora Green Eyes com seu ar ingénuo - vulgarmente chamado ar totó - diz que não se acha uma grande beleza mas que o Zezé lhe disse que ela era muito bela*!
Assim, sem mais nem menos, o Mário sai-se com esta - pudera, o moço é cego, acha tudo muito bonito... - o momento seguinte foi de gargalhada geral, sendo o Zezé quem mais se riu!
Blá, blá, titi, totó, pipi, popó, que só estavam a brincar com Green Eyes e com o Zezé [que é mesmo cego], mas Green Eyes fez beicinho**!
Oh porra, já não se pode sonhar...


*Achava Green Eyes que como o Zezé é cego e sendo a primeira vez que se encontravam ele viu a verdadeira beleza dela... pelo menos agrada-lhe essa ideia preconcebida...
**O beicinho foi mais na tentativa de não se rir, não ia dar parte de fraca... ;)

2011/11/14

Cada vez mais extenuada, mas...


cada vez mais feliz!

Antes andava extenuada por causa do trabalho e do estudo e pensava sempre "quando acabar este estudo não me meto noutra e vou descansar..."!

Agora ando extenuada por causa do trabalho e da estroinice e penso "tenho de fazer outro curso para deixar a estroinice e poder descansar..."



2011/11/09

Green Eyes! (My special day)


Verdes são meus olhos
Diáfano é o meu olhar
De tudo o que me rodeia
Não me canso de fitar
Embacia-se com a tristeza
Reluz com a alegria
É sempre cristalino e translúcido
Quer seja de noite ou de dia
Verdes são meus olhos
Com pigmentos de outras cores
Já vi, senti e fiz nascer
Por eles muitos amores
Meus olhos verdes são
Verdes hão-de morrer
Dão-me imensas alegrias
E mudam-me o sofrer
São verdes os meus olhos
E por eles podes entrar
Se olhares bem em meus olhos
Ao meu coração vais parar
Meus olhos verdes
Outros buscam sem cessar
Não importa a sua cor
Apenas o seu olhar
Amar, contemplar e sonhar
Gosto e tento conseguir
A tristeza eu quero transformar
Com meus olhos verdes sempre a sorrir
Ao falar dos meus verdes olhos
De tudo me estou a pronunciar
Tenho o prazer de com eles ver
E me deixar penetrar
Não invejes meus olhos
Os teus não vou invejar
Se os olhos são o espelho da alma
Aqui a minha te deixo perscrutar…