2011/05/29

Aqui me "dispo" mais um pouco...


A Rosinha do .....tilida5ever design..... ofereceu-me um miminho, nas "10 coisas de que gosta" estava lá o meu sorriso e junto com isso vinha o desafio de em fotografias eu mostrar também "10 coisas de que gosto". 
Aqui estão umas colagens de fotos minhas que tentarão ilustrar, sem qualquer ordem, 10 das muitas coisas de que gosto. 
Espero consegui-lo fazer, mas de qualquer modo cada colagem tem como nome o que eu quero ilustrar!
Obrigada Rosinha e espero que gostes (e os outros também) de me ver assim!
 1
 2
 3
 4
 5
 6
7
8
9
10

2011/05/26

Sou mulher imperfeita!

Não faço dietas
Seja para emagrecer ou engordar
Nem exercício físico
Porque me pode matar!

Não gosto de ir às compras
Nem dinheiro esbanjar
Gosto de usar o que me apetece
Para a moda estou-me a marimbar!

Não tenho namorado(a)
Nem sintomas de TPM
Quando me irrito canto
Em tom de Boney M!

Adoro ter a casa limpa
Mas detesto limpar
Apesar disso faço-o sempre
Contrariada e a resmungar!

Gosto de inventar comidas
Mas não aprecio comer
Gosto de mecânica, electricidade e mais coisas
Que aos homens dizem pertencer!

Em respeito a relações amorosas
Sou insegura de mim, diz que se nota
Por isso prefiro quedar-me quieta
E não o considero uma derrota!

Não tenho paciência para cremes
Nem para me maquilhar
Mas ao contrário de muitas que os põem
Todos os dias banho gosto de tomar!

Tenho celulite no corpo
Rugas e pele branquelas
Quem mais me aponta os defeitos
São as mulheres, estou-me a … para elas!

Tenho também virtudes
Mas mais defeitos poderia enumerar
Apesar de ser imperfeita
Ainda tenho o desplante de de mim gostar!

Não liguem aos disparates que digo
Hoje apeteceu-me versar
Apesar do tom de brincadeira
Sou imperfeita não se esqueçam de me amar anotar!


2011/05/25

Arrependimento!


Sobre o que eu aqui escrevo perguntaram-me se eu alguma vez  me tinha arrependido de relatar algo e se o tinha apagado!

Respondi que não... não, não me arrependo de o ter escrito... não, não o apaguei... sim arrependo-me, arrependo-me de ter feito o que relatei...

The Desintegration Of The Persistence Of Memory - Salvador Dali

2011/05/22

Ama-Me!


Rasga-me a pele...
Estilhaça-me os sentimentos...
Rouba-me o Ser...
Destrói-me os lamentos!
Ama-me com o corpo...
Esquece a sensação...
Satisfaz-me os desejos...
Sem qualquer emoção!
Fica comigo...
Depois partes sozinho...
Dá-me um momento...
Interrompe o teu caminho!
Abafa-me a vontade...
Ama-me com paixão...
Ainda que seja apenas...
O quebrar da ilusão!
Ama-me...
Ama-me porque te exigi...
Ama-me com urgência...
Amanhã posso não estar aqui!
Ama-me agora...
Cala-me a premência que senti...
Amanhã posso morrer...
Não o lamento por mim, mas por ti!

 
Fait Divers With Nonsense 
by Green Eyes         

Deep Emotion - Talanbeck Chekirov

2011/05/19

Carta ao meu Amor!


Rio da saudade, ano de 2050.

Meu doce amor,

hoje acordei com saudades tuas, com saudades de nós daquilo que nunca vivemos! 
Senti tantas saudades de estar contigo como nunca estive.
Estar sentada aqui neste nosso rio contigo a meu lado.
Enrolar as tuas mãos nas minhas. 
Tantas foram as saudades que senti os teus dedos nos meus.
Ficamos horas a brincar com os nossos dedos entrelaçados uns nos outros. 
Acariciavas-me os meus dedos e o dorso da mão com os teus polegares, os mesmo que já senti passarem em meu rosto, depois beijava-los levemente, muito ao de leve como se de um sopro se tratasse, lembrei-me que já senti os teus lábios assim em meu rosto. 
A intensidade do que senti foi tão forte que dei por mim a olhar as minhas mãos vazias de ti e cheias da ilusão das marcas dos teus dedos. 
Como? Como é possível isto acontecer? 
Como posso eu viver-te se nunca te tive? 
Como posso eu querer-te se nunca te quis? 
Como posso eu pensar-te se nunca te imaginei? 
Tantas saudades… tantas dúvidas… um emaranhado de sentimentos me invade mas uma certeza eu tenho…
Hoje senti saudades do que nunca vivi...

Short Stories
   Green Eyes 
 
Close Up Of An Old Woman's Hands - Sam Abell

2011/05/18

(7) Conversas Entre Ele e Ela!


Ele - Que fazes sozinha aqui neste canto? A festa é mais ali para o meio da sala...

Ela - Nada de especial, apenas fico aqui para ninguém me ver...

Ele - Achas que por estares neste canto vais passar despercebida? Olha que não... e não entendas isto como uma forma de engate...

Ela - Claro que não, entendo como uma forma delicada de me dizeres que estou mal vestida...

2011/05/17

Post-it (Indagação)!



2011/05/16

(Des)Trava Lingua!


Espanta-me que tenhas acreditado que eu acreditei naquilo que tu acreditavas que eu acreditava mas mais me espanta é que acreditasses naquilo que acreditavas que eu acreditava querendo tu que eu acreditasse no que tu acreditaste assim acreditasse eu no que tu acreditavas que eu acreditei...

2011/05/11

Círculo Vicioso!


A minha vida é um círculo vicioso...


Alimento-me Dela para poder Viver!
Vivo para me poder alimentar Dela! 


2011/05/10

Despertar!

Sente-se a acordar!
Os seus olhos evitam abrir-se!
Vira-se para o outro lado na cama enroscando-se em si mesma!
Gosta de envolver os lençóis no seu corpo deixando a descoberto pedaços de si, delicia-se ao sentir o contraste da temperatura!
Não lhe apetece acordar!
Espreita por entre as pestanas das suas pálpebras semicerradas a luz que se vislumbra por entre as portadas das janelas! Fá-lo na tentativa de a não encontrar apesar de a sentir acariciar-lhe as pernas a descoberto!

Apetece-lhe ficar ali enrolada na sonolência!
Adora aquela sensação de torpor!
Gosta de sentir que não pertence a nenhum dos Mundos de que tudo é feito!
Estar longe dos dois, mas no entanto entre um e outro! Quase a sair do Mundo dos sonhos e a entrar no Mundo da realidade!
Nunca gostou de apenas um deles, nenhum deles a satisfaz plenamente!
O Mundo dos sonhos é por demais utópico, irrealista, já o Mundo da realidade é por vezes cruel, atroz!
A hesitação entre o despertar e o continuar adormecida é-lhe sempre agradável! Funciona, quase sempre, como um carregar de energia positiva!
Não consegue identificar a música que passa, em tom baixinho, na rádio, mas isso não a incomoda, soa-lhe quase como um doce embalar dos seus quase pensamentos! A voz rouca do cantor transporta-a lentamente até à realidade, como que clarificando-lhe a ténue fronteira entre os seus dois Mundos!
O cheiro a café fá-la despertar finalmente!
Espreguiça-se com poses lânguidas!
Sorri, é mais um dia para viver uma nova fusão de sonho e realidade!

Short Stories
   Green Eyes 

Waking Woman I (green) - Lanie Loreth

2011/05/09

Mima-Me que Eu Gosto!


A Rosinha, a blogger que faz umas coisas lindas, a do blogue 
ofereceu-me mais uma vez  um miminho (selo)
por acaso quando envia as encomendas oferece também a embalagem (giríssima), é só experimentarem…
Tal como das outras vezes há regras, mas tal como das outras vezes eu só cumpro algumas delas… a saber:
  1. Agradecer à pessoa que o ofereceu - Esta sim, cumpro e com muito gosto… Merci Rosinha :)
  2. Escrever um post sobre isso – Aqui está! 
  3. ...
  4. ...
  5. Qual a palavra que melhor te define? Como eu não resisto a responder… cá vai…
A palavra é... 
Puzzle!

2011/05/08

Mystery...

You tell me you want me!
But you don't tell me who you are!

Are you for real?
Or
Just a character?
I don't like this mystery anymore!

Fait Divers With Nonsense
by Green Eyes 

2011/05/06

Post-it (Prodigalidade)!



2011/05/05

Dançando Com As Emoções!

De novo os mesmos pensamentos!
As mesmas ideias e reflexões fervilham na sua mente!
Porque nada bate certo?
Porque tem de ter sempre a pessoa errada apaixonada por ela?
Pessoa errada, cada vez que usa essa expressão esboça um sorriso, o que será uma pessoa errada? - questiona-se sempre!
Aprendeu com a vida, com os outros, com as convenções sociais que certas características os farão serem o homem errado na sua vida e inconscientemente afasta-os!
Como gostava de ser uma pessoa normal, daquelas em que tudo acontece como mandam as regras (se bem que ela até gosta de ir contra certas regras), daquelas que amam e são amadas, daquelas que se apaixonam!
Porque não se apaixona ela? Porque não se liberta ela desse item vital, no seu entender, para poder apenas gozar o momento?
Apetecia-lhe que a convidassem para um café, mas não um daqueles convites que costuma ter, não desses, não lhe apetece ter de contornar segundas intenções, nem terceiras ou coisa que o valha…
Mas o que ela gostaria mesmo, muito, era dum convite para dançar!
Apenas isso, corpos que se tocam sem se tocarem, num rodopio voluptuoso!

Peles que libertam suores e luxúria que provocam e satisfazem a libido! 
Corpos que libertam a lascívia escondida!
Olhares que se cruzam com promessas de um beijo!
Quem sabe assim ela conseguiria ser como as outras pessoas, conseguiria apaixonar-se!

Short Stories
   Green Eyes 

Dance Me Out – Zeph Amber

2011/05/04

Apetite Inusitado!


Hoje passei o dia todo a pensar numa única coisa!
Um desejo quase incontrolável!
Que vontade de o fazer!
O que eu tive de fazer, as artimanhas que inventei,  para refrear minha esta vontade, este desejo!
Bebi copos de água fria, pus o ar condicionado no mais frio possível, levantei-me, sentei-me, andei de um lado para o outro, abanei uma folha de papel para o rosto, molhei o rosto com água fria, trabalhei com uma fúria desmedida... e não houve maneira de ele me sair da cabeça...
Fisicamente acho que todos perceberam o que eu queria... os sintomas físicos eram por demais evidentes... nunca com tal intensidade senti isto...
Quando finalmente pode satisfazer o meu apetite... já não me apetecia...
Apre... que raiva... assim nunca mais acerto o passo...

Sobre as Pessoas que se cruzam no meu caminho...

Existem aquelas que se cruzam no meu caminho e que percebo que isso aconteceu para enriquecerem a minha vida!
Sem elas a minha rota não seria a mesma!
Sem elas alguns desvios não fariam sentido e nem teriam existido!
Sem elas eu não teria vivido com tanta intensidade!

Depois...

Existem aquelas pessoas que se cruzam no meu caminho e que percebo que isso aconteceu para empobrecerem a minha vida!
Sem elas a minha rota teria sido mais calma!
Sem elas alguns desvios fariam sentido ou não teriam existido!
Sem elas a intensidade com que vivo teria sido maior!

E depois... bem depois...

Existem aquelas que nem são nem deixam de ser!
Aquelas que não sei para que existem!
Andam para aqui a perturbar a minha existência qual mosquito em noite de Verão!
Sem elas no fim fica tudo igual!
Mas enquanto cá andam molestam!
Talvez sejam um erro de casting...
E não me venham dizer que o erro posso ser eu... 
Afinal esta é a minha vida, não sou eu que estou a mais!

2011/05/03

Perspectivas!

Há dias em que a Vida é um sonho!

Porventura Bom...
Encarámos de frente e abrimos o sorriso!

Porventura Mau...
Virámos as costas e fechámos o sorriso!

Depende da perspectiva!
Eu já escolhi a minha para hoje...
Escolhe tu a tua...


Uns dirão que isto dá para reflectir... outros... outros dirão que é apenas mais um pretexto para eu mostrar uma foto minha... perspectivas...

2011/05/02

Porque Choras?

Apetecia-lhe chorar!
Não tinha nem via uma razão aceitável para o fazer, mas apetecia-lhe!
Sentia uma daquelas sensações estranhas, daquelas em que quase consegue ver o aperto no seu peito!
A imagem que lhe vinha à mente era a do coração a querer bater e uma corda em volta dele prendendo-o, sufocando-o, estrangulando-o…
De tal intensidade era a sensação que além de tudo isto conseguir visualizar quase poderia afirmar que ouvia o coração clamar por compaixão!
Sentia-o gritar para que o deixassem bater… para que a mão invisível que lhe apertava, cada vez mais, a corda em volta dele o deixasse libertar-se!
Não podia continuar ali, tinha de sair, tinha de deixar aqueles rostos, aparentemente sorridentes, mas que se tornavam disformes à medida que ela os observava!
- Já volto! – Resmungou baixinho para alguém que estava a seu lado.
Em passos apressados dirigiu-se para a beira-rio, para aquele cantinho a que ninguém vai, aquele onde sabe que estará só fisicamente, mas acompanhada de tudo!
Lá o coração conseguirá quebrar a corda e voar!
(…)
Apenas alguns minutos se passaram quando sente uns passos, pequeninos, a vir em sua direcção. Um olhar fugaz mostra-lhe que uma criança do sexo feminino se dirige a ela… logo agora que se sentia a acalmar!
- Porque choras? – Questionou-a a menina.
- Por nada de especial! – Retorquiu-lhe com voz envergonhada e maldizendo-se por não ter disfarçado as lágrimas.
- Magoaste-te? – Perguntou a menina aproximando-se um pouco mais.
- Não, acho que não… não é nada… - Abana a cabeça na tentativa de secar as lágrimas.
- Bateram-te? – Insistiu a pequena.
- Não minha querida, deve ser do vento! – Respondeu ela sorrindo para a catraia.
- Sabes quando eu choro por causa do vento a Mãe dá-me um abraço, queres um? – Perguntou-lhe a miúda dirigindo-se a ela de braços abertos e sem esperar resposta. Abraçou-a! Ela não conseguiu segurar as lágrimas, aquele gesto comoveu-a de tal modo que tudo o que conseguiu fazer foi chorar! A menina dava-lhe pequenas pancadinhas nas costas e dizia-lhe em tom apaziguador – Pronto, vai passar!
Alguns segundos, minutos depois parou de chorar, olhou a menina e disse-lhe – Já passou!
(…)
Depois que a miúda se foi embora, não sabe bem como, quando nem por onde (a forma enigmática como apareceu a seu lado foi a mesma que a fez desaparecer) ela sentiu o seu coração libertar-se… aquela maldita sensação tinha-se esvaído…
Já podia voltar o enfrentar o Mundo!
Short Stories
   Green Eyes