2010/03/09

(Sem) Sentido...


E de repente acordou! 
Numa espécie de sobressalto em que todos os seus sentidos ficaram despertos ao mesmo tempo. 
Sente o rosto molhado! 
Passa as mãos, lentamente, pela face e sente-as humidificar! 
Sente o sabor a sal! 
Chorou! 
Chora ainda!
Não consegue explicar!
Apenas sente as lágrimas fluírem-lhe pelas faces...
Não interessa! 
Já nada interessa! 
Tudo o que quer é esquecer! 
Como é difícil esquecer… 
Levanta-se, uma ideia lhe martela o cérebro
Tem de esquecer! 
É crucial que o faça! 
Procura, avidamente, nas gavetas, nas caixas, nas prateleiras… 
Nada encontra… 
De repente lembra-se que estão guardadas no computador! 
Tudo o que tem de fazer é um “delete”… 
É o que faz! 
E depois… depois voltam as lágrimas! 
A “dor” não passa… precisava de as rasgar, queimar…

Mas já não se escrevem cartas de amor como dantes…
...