2009/10/29

Desta Vez Travei A Tempo!!



Pois é, desta vez correu melhor do que nesta!

Então foi assim:
Cheguei a casa e, ao passar o portão, reparei que lá ao fundo estava qualquer coisa que me parecia mesmo um sapo!
Ó Green Eyes – pensei eu – lá estás tu a ver “coisas” onde elas não existem… mas parecia-me mesmo…
Como estava um bocadinho escuro, as luzes do carro não me ajudavam lá muito, tentei fixar o olhar, desta vez não queria matá-lo!
Nada, nem sequer um ligeiro abanar! Não se mexe – voltei eu aos pensamentos – deve ser uma folha da latada!
Pelo sim pelo não entrei, na quintarola, devagarinho e tentando não passar com as rodas do carro por cima da “folha”!
Saí do carro e, como ainda não estava convencida, fui lá ao pé ver o que era.
Quando me aproximei vi que na verdade era mesmo um sapo.
Gordo, grande, brilhante!
Ah, hoje não me escapas, vais levar um beijo e vais transformar-te em príncipe – disse eu em voz alta para o batráquio!
Mal me ouviu, o palerma do sapo, começou aos saltos e fugiu de mim com uma rapidez tal que até o confundi com o Obikwelu!!

Parvo, nem tu, meu estúpido, queres o meu beijo…

Deixa estar que amanhã logo vês!!

"Raios partam os sapos..."

2009/10/28

Dilema de Green Eyes!!!




Estou num dilema!

Não sei o que fazer!

Se por um lado me apetece, e muito, dizer que sim, por outro lado fazer cerca de 900km, ida e volta, no domingo, não me parece lá muito atractivo!
Claro que existe a atenuante de apenas o fazer sozinha em cerca de 300km, mas mesmo assim…
Depois também temos como desmotivador o facto de ter de abdicar de algumas horas de sono…

Ó céus… não sei o que faça…

2009/10/25

A Borboleta da Susaninha!

Este é um “selinho” oferecido pela Susaninha e, como já é habitual em mim, aqui na blogosfera não cumpro regras!
Mas gosto de responder a estes questionários ;) Aliás adoro responder a perguntas mas não gosto de as fazer!

Agradeço, muito, porque apesar de não cumprir as regras, adoro lá, nos outros blogues, ver o meu nome… vaidosa eu me confesso!
A “borboleta” deixo com a Susaninha, fica-lhe tão bem que seria um crime retirar-lha!

As perguntinhas são:

Mania:
De “jogar à defesa”!
De não deixar cair os muros que construí em redor de mim…

Pecado Capital:
Primeiro quando li pensei que era um pecado que eu tivesse cometido na Capital... 
Sinceramente, nenhum… ou então um pouquinho de cada…

Melhor cheiro do Mundo:
De tudo o que gosto, mesmo que cheire mal, como gosto para mim é o melhor…

Se o dinheiro não fosse problema:
Viajar. Viajar, viajar e viajar!
Dar ainda mais, adoro ver a alegria dos outros quando lhes dou algo :D

História de infância:
Lembro-me pouco da minha infância, a idade não perdoa! Estranhamente só me lembro das tolices que fazia…
Lembro-me de ir passar férias à casa da minha avó materna, tinha eu cerca de 7/8 anos e me mandarem lavar a louça (chávenas do pequeno-almoço) eu furiosa peguei numa ceira das compras, meti lá os meus pertences e fui pedir boleia para voltar para casa. Como a minha avó morava numa zona rural o único carro que passou, e me deu boleia, foi um carro de bois!

Habilidade como dona de casa:
(In)Felizmente tudo… Mas cozinhar, criar novos sabores e novos pratos culinários é o meu forte, especialmente doces ;)

O que não gosto de fazer em casa:
Apetecia-me dizer tudo, mas fica mal, não fica? A que detesto mesmo… limpezas.

Frase preferida:
“… Afinal, manhã será um novo dia…” – Repito-a para mim mesma muitas vezes, dá-me esperança :)

Passeio para o corpo:
Hum… prefiro passeio pelo corpo ;)

O que me irrita:
Que as pessoas amuem e não me digam porquê! Que deixem de me falar sem mais nem menos…

Vou aos arames quando:
Apetecia-me dizer quando é necessário consertar a cerca :) :) :) :) :)
As pessoas são incompetentes, principalmente quando prejudicam outras pessoas!
Quando “emprenham pelos ouvidos”!

Talento oculto:
Está tão oculto que quando se revelar vai ser um “estrondo”!!

Frases ou palavras que uso muito:
Credo!!!!!!!!
Blá, blá, blá…

Palavrão mais usado:
Fónix ^.^

Queria ter nascido a saber:
Nada de especial, adoro ir aprendendo :)

Kor, ontem não deu... Este também é para ti :):)

2009/10/23

Um Sorriso Para...

a Susaninha “Docinho de Coco”!

Mas extensivo a todos vocês que gostam de me ver sorrir ;)

Porque nada nem ninguém me fará perder este sorriso!



Ainda que o coração me “doa”!
Ainda que não controle as lágrimas!
Ainda que a tristeza me invada!
Ainda que o cansaço me avassale!
Ainda que…

Este está sempre lá!

2009/10/21

Que estranho…

Hoje apetecia-me estar junto de alguns bloguistas “donos” dos blogues por onde vou “passando”.

O estranho não é eu querer ir para junto de pessoas que não conheço pessoalmente, o estranho são as razões que me levam a ter este apetite…


2009/10/19

À Conversa Com o Pedrinho.

O Pedrinho é um menino, tal como outros, que um dia foi com a mãe ao meu serviço e, a  partir daí, de vez em quando, vai visitar-me. Diz ele que vai convidar-me para um café, e se noutros casos até hesito, neste caso aceito sempre de bom grado.
Vamos ao café e como é óbvio, porque o Pedrinho tem apenas 9 anos, quem toma o café sou eu, para ele é sempre um “xicolatado”, como ele gosta de dizer!

Hoje tivemos uma conversa muito proveitosa…

Pedrinho – Green Eyes porque não tens marido?

Eu – Porque ainda não encontrei aquele rapaz especial.

Pedrinho (com ar pouco convencido) – Nem um namorado?

Eu – Pedrinho, se não apareceu o rapaz especial como queres tu que a Green Eyes namore?

Pedrinho – Olha que o meu tio até disse à minha mãe que tu nem eras nada de deitar fora!

Eu (assim com ar cúmplice) – Ai o tio disse isso… (palerma, pensei eu) e tu sabes o que isso quer dizer?

Pedrinho (em tom muito baixinho) – Sei, acho que sei. É como quando a mãe vê o prazo do iogurte e diz para comer porque está fora de prazo mas ainda não estragou…


Pronto… é sempre bom ser comparada com um iogurte fora de prazo, mas ainda assim não deixa de ser um elogio!
Ainda bem que o Pedrinho não sabe que eu me apaixono e desapaixono em 30 minutos… ainda me comparava a uma mousse instantânea…

2009/10/16

Se Tu Me Amasses!

Ele – Ai se tu me amasses…

Ela – Então? Se eu te amasse que farias?

Ele – Contava a todos os meus amigos, mandava-te flores todos os dias...

Ela – Hum… Eu gosto tanto de receber flores.

Ele – Fazia com que, apesar de estarmos tão longe um do outro, tu me sentisses sempre a teu lado…

Ela – E passeavas comigo à chuva?

Ele – Sim, à chuva, ao sol, sempre…

Ela – E escrevias-me um daqueles poemas de amor pirosos, mas que eu iria adorar?

Ele – Sim e até o declamaria!

Ela – Então, se eu te amasse não eras tu que eras feliz… seria EU!

2009/10/14

(1)Conversas Entre Ele e Ela!

Ele – Gostas de mim?

Ela – Claro que sim…

Ele – Então dá-me um beijo.

Ela aproxima o seu rosto do dele e encosta, levemente, os lábios na sua face.

Ele – Não é um beijo desses, dá-me aqui. – Aponta, com o dedo indicador, os seus próprios lábios.

Ela sorri, levanta-se de novo, e encosta, levemente, os seus lábios aos dele.

Ele – Não, assim não! Deixa-os ficar junto aos meus mais tempo, deixa-me entreabri-los com os meus, deixa a minha língua passear por eles…

Ela (sorrindo) – Vai sonhando…

Ele – Um dia um “ele” vai fazer-te o mesmo a ti!

Ela – Não, não vai que eu não deixo!

Ele – Se te apaixonares não tens escolha.

Ela – Tenho, sabes bem que sim, tu conheces-me! Se eu me apaixonar esse “ele” não saberá!


2009/10/13

Porque...

Nada FAZ Sentido!


Mas


Tudo É Sentido!




2009/10/07

A Dor De Cabeça, O Amor E As Pessoas De Quem Não Gostamos!



Era uma vez uma “dor de cabeça”.
Esta “dor de cabeça” instalou-se num corpo sem pedir licença. Acomodou-se na cabeça e por lá foi ficando a incomodar. Incomodava porque era barulhenta, atirava com as portas fazendo toda a cabeça estremecer! Mexia-se muito fazendo pressão sobre todo o corpo deixando-o completamente de rastos!
Os órgãos daquele corpo estavam a ficar fartos!
Dias, meses a aturá-la e por isso resolveram reunir-se para decidir o que fazer!

A Razão dizia – Chamámos os polícias cerebrais (medicamentos) e expulsamo-la!

O Coração dizia – Ficamos quietos que ela desiste e vai-se embora!
Sempre ouvi dizer que o melhor, nestas coisas, é abandonarmo-nos, deixarmo-nos ir na corrente!

Fígado – Eu já não aguento mais!

Coração – Ceder-lhe, aceitarmos tê-la connosco é o melhor, acreditem em mim!

De tanto o Coração insistir o corpo aceitou! Resolveu ceder à “dor de cabeça” e quando o fez ela, a “dor de cabeça”, partiu!

E o que tem esta história a ver com o título? Perguntam vocês (se não perguntam deveriam fazê-lo…).

Aparentemente nada, mas vejamos as deduções à Green Eyes:

– Tal como com a “dor de cabeça” o Amor quando lhe cedemos abandona-nos, parte, vai-se embora!

Conclusão: A “dor de cabeça” e o Amor são a mesma coisa.

– Tal como a “dor de cabeça” as pessoas de quem não gostamos, quando nos habituamos a suportá-las elas desistem, vão-se, partem!

Conclusão: As pessoas de quem não gostamos são para nós, por vezes, uma “dor de cabeça”!