2009/05/05

Conversa com desconhecidos sobre a “gripe suína”!


Eu hoje, à hora de almoço, fui tomar um cafezinho a uma pastelaria perto do trabalho.
Raramente vou porque ando sempre a “correr” e prefiro tomar no trabalho para “não perder tempo”, mas hoje precisei de “mudar de ares”.

Então lá estava eu sentada a saborear o cafezinho quando entram três pessoas já de idade assim para o “avançadote”, duas senhoras e um senhor. Dirigiram-se para a minha mesa e uma das senhoras perguntou se se podiam sentar comigo. Disfarcei a surpresa da pergunta, uma vez que havia duas ou três mesas desocupadas, e disse que sim. Eu lá tinha coragem de dizer que não àquele trio!

Sentaram-se, pediram três meias-de-leite e três bolos de arroz. Eu, não fossem eles entender que era por "culpa" deles, deixei-me estar mais um pouquito.

Começaram a conversar sobre a gripe. Blá, blá, que é uma “impedemia”, que já matou “munta” gente e etc. e tal.
Como eu estava a olhar para eles e ia sorrindo (que mais podia eu fazer para disfarçar a vontade de rir com a conversa) uma das senhoras “vira-se” para mim e diz:

– A menina percebe da gripe dos animais?
– Assim-assim – retorqui.
– Ah! É que eu tenho medo de ter, sabe? – Disse a senhora.
– Então porquê? – Questionei eu.
– Porque tenho os “sentomas”, tosse, febre e arroto muito. – Disse a senhora ao mesmo tempo que os outros dois anuíam, abanando a cabeça, e olhavam para mim à espera do veredicto.
Confesso que quase gargalhei… Não fosse eu já estar habituada a “estas coisas” e não me teria contido.
Pigarreei, não resisti e disse:
– Olhe, não se preocupe, não tem de certeza, é que os porcos não arrotam (onde terá ela ido buscar esta ideia?) eles roncam…