2009/05/29

Diz que é uma espécie de “prémio/ uma atenção/ uma homenagem”…


A iAna do blog “Di(z)Funcional” resolveu dar-me um mimo, fez um post a que chamou “prémio/ uma atenção/ uma homenagem”…
Diz ela, e eu acredito, que foi porque eu senti a falta das suas fotos e também porque eu acertei numa espécie de enigma sobre um livro que ela fez.
Eu como adoro carinhos, mimos e outros que tais fiquei felicíssima!
Foi uma surpresa espectacular especialmente na altura em que foi.
Há já alguns dias que eu não andava por cá (blogosfera), estava sem tempo e com tudo, mesmo tudo (vida pessoal, amores, trabalho…) a “correr mal”. Apre que a vida às vezes custa mesmo a viver!
Hoje resolvi vir cá “dar uma voltinha” e o 1º blog que vejo é logo o que me dá este carinho! E ainda dizem que não há coincidências…
Adoro fotografia e as interpretações que cada um lhes dá! A iAna faz isso de uma forma que eu adoro.
As frases que ilustram as suas fotos, ou as fotos que ilustram as frases, são sempre tão bem escolhidas.
O “casamento” perfeito!

iAna muito obrigada, gostei mesmo muito ;)


Este é um dos blogs que faz parte da minha longa lista de leituras na internet e que me vai dar muito prazer, mais logo, ler, agora vou jantar...




2009/05/25

Hum… Até que gostei do piropo!



Uma reunião hoje à tarde? Assim de repente…
Ok, vamos lá, se eu não almoçar vou lá chegar a tempo. Lá fui eu, para o Porto, no meu carro e por razões que não interessam nem ao “menino Jesus”.
Ao chegar ao Porto, a “bela” da fila…
Ora aqui a Green Eyes, para acalmar os ânimos, vai de aumentar o volume do som do rádio e toca a cantar!
Quando oiço música e como já aqui contei, danço sempre e, no caso de estar a conduzir tenho o mau hábito de continuar a “dançar com as mãos”!
Ora então cá estava eu qual “sevilhana” quando senti aquela sensação de estar a ser observada…
Ok, devem estar a pensar “esta está doida, com estas cenas no meio do trânsito queria o quê?”.
Mas era “aquela sensação”, aquela que nos faz virar e olhar!
Assim pensei, assim o fiz. Olhei e lá estavam dois rapazes, no carro ao meu lado, a sorrir para mim.
Incentivada pelo facto de estar “protegida” dentro do carro e de estarmos no meio do trânsito, sorri de volta e continuei a cantar (se se pode chamar cantar ao que eu fazia) e a dançar. Numa coincidência feliz eles estavam a ouvir a mesma música e vai de cantarem e dançarem também!
Bela cena… Mesmo à Green Eyes!
A páginas tantas e como a fila andava a “passo de caracol” um dos rapazes diz-me um piropo.
Não foi um piropo qualquer, daqueles que me fazem rir de tão parvos que são, assim do tipo destes:

Tipo GPS: Qual é o caminho mais rápido para chegar ao teu coração?
Tipo Canibal: Comia-te toda!
Tipo Amnésia: A tua cara não me é estranha...não nos encontramos já nos meus sonhos?
Tipo Astronomia: Que fazes? Aqui que eu saiba, as estrelas só saem à noite!
Tipo Botânico: Não sabia que as flores andavam!

Não, foi mesmo um singelo, de tão singelo que me fez corar e “brilhar”!
Adorei!
Obviamente que como a fila andou já não tive tempo de lhe responder, mas se tivesse tido tempo ter-lhe-ia dito:
– Obrigada, adorei, mas pelo sim pelo não amanhã vai ao oftalmologista…

2009/05/23

De Volta A Casa!


Cá estou eu de volta a casa.
Pois eu percebi que não sentiram a minha falta…
Quer dizer, acho que alguns sentiram…
Eu senti a falta de todos…
Mas “lamechices” à parte, até que me diverti, descansar é que não foi possível. Como sempre, venho das férias mais cansada do que fui, claro que o “espírito” vem mais leve…
Foram cinco dias divertidos, fui para França mas “fartei-me” de falar inglês…
Éramos um grupo muito heterogéneo vários países e várias línguas. Apenas nos conhecemos em Paris mas depressa nos tornamos amigos. Obviamente que a empatia funcionou mais com uns do que com outros, se bem que eu nem me posso “queixar” afinal todos sem excepção me “apaparicaram”!
O mais complicado foi ir falando três línguas ao mesmo tempo. Falar em inglês, francês e português ao mesmo tempo a “páginas tantas” já me baralhava um pouquito e “fazia das minhas”…
Numa dessas vezes na altura de pedir um café disse ao empregado, num dos restaurantes, em inglês (ele também falava inglês):
– I want you…
Quando ele me respondeu, com sotaque francês:
– Ok, but it must be later, now I’m working – eu quase “morri” de vergonha.
Ele até era bem giro e tal, aliás não sei o que se passou em França mas desta vez os homens eram muito mais interessantes.
Agora só tenho que “assentar” ideias, até porque tenho uns textos para escrever e na segunda estou de volta ao trabalho…

2009/05/18

Carte-Postale Pour Mes Amis. Ma Deuxième Fois à Paris!


Bonjour mes amis, me voilà au pays de Sarkozy !
C’est ma deuxième fois à Paris, là première fois c’était une visite culturel (Eurodisney et Parc Astérix dans ce cas on peut dire que c'était également culturel) cet là c’est pour me reposer…
Bem, agora que já me “exibi” mostrando que também sei falar francês,(espero não ter dado muitos erros) se bem que piano não sei tocar…
Ups… Esperem um bocadinho, com a vaidade “babei-me” e tenho de ir ali buscar um “kleenex” para limpar o teclado…

Adiante…
Então cá estou eu em Paris. Cheguei ontem e ao instalar-me, no hotel, verifiquei que este é numa rua mesmo ao pé da casa de “Messieur Le Président”. É óptimo pois estou bem “guardada”, há “gendarmes” por todo lado! Mas por outro lado é complicado, tenho de ter cuidado porque se o “Président” me vê vai “ter problemas” com a Bruni, cof… cof…

Pronto… Se tiver oportunidade cá irei “metendo” algum texto e fotos, é que infelizmente vim apenas por cinco dias e com o “trabalho às costas”…

Bisous à tout le monde!

Da próxima vez espero que a visita seja aquela de que todos falam…
É que à terceira dizem que é de vez ;)



2009/05/15

Porque tens 7 e não 27 anos?

E cá estava eu absorvida na análise de uns processos, de “nariz enfiado” no meio de papéis, Leis e outras que tais, quando ele me “incomodou”!

Bem, vamos contextualizar a “cena” para mais fácil percepção…

Eu quando não estou com alguém no gabinete, ou seja quando a minha tarefa é individual, gosto de trabalhar de porta aberta. Faço-o porque me sinto “mais livre” mas também porque assim, as pessoas, sabem que eu estou disponível, ainda que lhes faça uma cara de “agora não”, mas ainda assim elas podem sempre tentar!
Então, como eu ia dizendo, lá estava eu a trabalhar, nos referidos processos, quando oiço bater, ao de leve, na porta. Olhei e não vi ninguém. Hum, deve ser impressão minha. “Enfiei-me” de novo na tarefa e de novo o mesmo som. Isto repetiu-se por mais duas ou três vezes, até que eu perguntei quem era.
De repente vejo uma mãozinha a acenar-me vinda de trás da parede.
Era um miúdo, a mãe deveria estar com algum funcionário, que tinha resolvido vir para ali “meter-se” comigo.
Como estava (ainda estou) atarefadíssima, disse-lhe que não tinha tempo para brincar.
Aparece-me então uma carinha de sorriso aberto à porta e diz-me olá e volta a esconder-se.
Ai a minha vida! Agora não tenho tempo para estas “cenas”…
De olhar carrancudo disse ao miúdo que se ele não se fosse embora lhe fazia cara feia.
Responde-me ele entrando pelo gabinete adentro:

– Podes tentar fazer mas não consegues, tu és muito linda!

Obviamente que não resisti, levantei-me logo e fui ter com ele!
Que miúdo amoroso.
Como eu sou fácil de levar, basta um elogio…

2009/05/13

Um Mimo da Soraia...



A Soraia do Blog “Um Dia De Cada Vez” ofereceu-me um “mimo”!
Já tinha recebido este “mimo” mas sempre de uma forma indirecta.
Como alguns dos mimos que por aí andam este também traz regras que eu não vou cumprir…

1-………… Sim
2- ……....... Ultrapasso o nº
3- ………...
4- Dizer 5 coisas que adore na vida e porquê (escolhi ao acaso).

Então cá vai:

“Coisas” que adoro:

a) A minha família, especialmente pais, irmãs, cunhado e sobrinhas.

b) Viajar, mesmo aquelas viagens “curtinhas”.

c) Música e livros.

d) "Tête-à-tête".

e) Finais Felizes.

Obrigada Soraia ;)

2009/05/12

A Tristeza…

Salvador Dali


Eu não tenho por hábito escrever, aqui, a esta hora da manhã (se bem que já não é muito cedo…), mas hoje APETECEU-ME!
Na continuação do texto anterior, apeteceu-me dizer qualquer coisa, por isso…

Porque é que achamos mal sentirmo-nos tristes?
Não é a tristeza um sentimento igual aos outros?
Não tem ela, a tristeza, direito a existir, de vez em quando, nos nossos corações?
Não nos faz ela falta para nos conhecermos?

Eu tenho momentos de tristeza com os quais me sinto bem!
Estranho?
Nem por isso…
Estes momentos fazem-se pensar…

E desta vez pensei em tudo o que faço, o que sou…

A razão da minha tristeza é uma “coisa minha” obviamente!
“Falar” dela alivia-a?
Nem por isso.
Se eu sei porque me sinto triste?
Não…
Mas desconfio…
Se alguém pode mudar isso?
Sim… Poder até podia… Bastava “desfazer” o que fez…

Enfim… (Ultimamente esta palavra está a retirar o lugar de destaque que tinha o obviamente na minha vida…)

Em jeito de rodapé e para quem lhe interessar saber – EU ESTOU BEM!

2009/05/11

Just Blue...


Salvador Dali



Today I Feel Blue!

Se pelo menos eu fosse adepta do Futebol Clube do Porto…

Estaria feliz com este meu estado de espírito…

Enfim…

Amanhã será um novo dia

2009/05/10

A Dor/Alegria das Minhas Lembranças…


Com os olhos, estranhamente, baços e ao mesmo tempo brilhantes das lágrimas disse-me – Eu só quero ser feliz!
Como me doeu nada poder fazer para que ele o conseguisse!
De nada lhe valeram os meus conselhos, o meu exemplo!
De nada valeu eu lhe dizer que também eu no amor (homem/mulher) nunca fui muito afortunada, mas que “aprendi” a viver com isso!
As suas lágrimas correram livremente pela face.
Não éramos os “maiores amigos”!
Éramos simplesmente amigos!
Ele não quis continuar a viver assim…
Fez a escolha dele!
Na minha perspectiva uma má escolha!
Demorei algum tempo a aceitar essa escolha!
Foi há cerca de um ano que decidiu que não valia a pena continuar a viver assim!
Nada disse, simplesmente partiu…
Hoje apeteceu-me escrever sobre isso porque agora sei que nada poderia fazer!
Foi a sua escolha e quando escolhemos nada nem ninguém o pode mudar!
Por mais palavras, gestos que façamos as decisões estão tomadas!
Se eu sabia? Não, apenas, naquela intuição que nos invade por vezes, o desconfiei.
Lembrei-me dele, lembro-me muitas vezes, com saudade, com lágrimas mas com sorrisos também. Sorrisos pelos momentos que partilhamos.
Pela, insistente, vontade dele em teimar que eu iria ser feliz!
Já raramente sinto raiva do que ele me fez…
Privou-me da sua companhia!

E numa coincidência daquelas a que chamamos “terrível” pouco tempo depois a C. fez a mesma coisa… Desistiu de viver…

A raiva que senti de nada poder fazer misturou-se com a dor de os perder!


Já não me sinto triste!
Tive a oportunidade de lhes dizer que gostava deles.
Tenho por hábito dizer às pessoas que gosto delas.
Se elas me correspondem? Se isso lhes interessa?
Não sei...
Sou assim…

2009/05/08

Eu ainda acredito que…



As pessoas “venenosas” um dia mordem a própria língua e morrem envenenadas…
Sórdida, asquerosa, hedionda, vil, ignóbil, repugnante…
Todos os adjectivos que possa usar com esta(s) pessoa(s) são mal utilizados…
As palavras são suaves demais!
Irra!
Tenho vontade de lhe(s) furar os olhos!
Torcer-lhe(s) as orelhas até partirem!
Rodar, lentamente, a ponta da tampa de uma caneta BIC, até abrir um buraco, na sua(s) testa!
Arrancar-lhe(s), bem devagarinho, as pestanas uma a uma!
Obrigá-la(s) a se olhar(em) no espelho durante três horas seguidas e ininterruptamente!
Mas não…
Opto sempre por ficar quieta, aguardo pacientemente que essa(s) pessoa(s) se “auto-envenene(m)”!
E………
De vez em quando tenho “sorte”….
Aconteceu!
Quando menos esperava… Pimba… Tramou-se!
Mas no fundo, bem lá no fundo (assim tipo pontinha da unha do dedo mindinho do pé) EU QUERO, mesmo, é que essa(s) pessoa(s) seja(m) feliz(es)…
É que assim esquece(m) que eu “existo” e DEIXA(M)-ME EM PAZ!!!!
P.S. – Eu não estou infeliz, muito pelo contrário, mas que é preciso ter uma dose extra de paciência, lá isso é ;)

2009/05/05

Conversa com desconhecidos sobre a “gripe suína”!


Eu hoje, à hora de almoço, fui tomar um cafezinho a uma pastelaria perto do trabalho.
Raramente vou porque ando sempre a “correr” e prefiro tomar no trabalho para “não perder tempo”, mas hoje precisei de “mudar de ares”.

Então lá estava eu sentada a saborear o cafezinho quando entram três pessoas já de idade assim para o “avançadote”, duas senhoras e um senhor. Dirigiram-se para a minha mesa e uma das senhoras perguntou se se podiam sentar comigo. Disfarcei a surpresa da pergunta, uma vez que havia duas ou três mesas desocupadas, e disse que sim. Eu lá tinha coragem de dizer que não àquele trio!

Sentaram-se, pediram três meias-de-leite e três bolos de arroz. Eu, não fossem eles entender que era por "culpa" deles, deixei-me estar mais um pouquito.

Começaram a conversar sobre a gripe. Blá, blá, que é uma “impedemia”, que já matou “munta” gente e etc. e tal.
Como eu estava a olhar para eles e ia sorrindo (que mais podia eu fazer para disfarçar a vontade de rir com a conversa) uma das senhoras “vira-se” para mim e diz:

– A menina percebe da gripe dos animais?
– Assim-assim – retorqui.
– Ah! É que eu tenho medo de ter, sabe? – Disse a senhora.
– Então porquê? – Questionei eu.
– Porque tenho os “sentomas”, tosse, febre e arroto muito. – Disse a senhora ao mesmo tempo que os outros dois anuíam, abanando a cabeça, e olhavam para mim à espera do veredicto.
Confesso que quase gargalhei… Não fosse eu já estar habituada a “estas coisas” e não me teria contido.
Pigarreei, não resisti e disse:
– Olhe, não se preocupe, não tem de certeza, é que os porcos não arrotam (onde terá ela ido buscar esta ideia?) eles roncam…